Exposição Symphonie Urbaine – Aix-en-Provence

FR//

Neuf jeunes étudiants de l’école supérieure d’art d’Aix-en-Provence et de la Faculdade de Belas Artes da Universidade do porto vou proposent, à l’occasion du Festival Image de Ville, leurs regards sur un axe historique de la ville de Porto.

Les rues d’Alegria et de S. Victor débouchant sur le fleuve Douro constituent le décor. Neuf prétextes à reconstruire, sous d’autres angles, comme des sculptures, une ville et son histoire, ses méandres et ses ruines.

Vernissage le 10 novembre à 18h au Bibliothéque Méjanes.

PT//

Nove estudantes da école supérieure d’art d’Aix-en-Provence e da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto apresentam, no âmbito do Festival Image de Ville, abordagens sobre um eixo histórico do Porto.

O eixo une a Rua da Alegria às ilhas de S. Victor, que dialogam com o rio Douro. Uma cidade com recantos por descobrir.

Inauguração dia 10 de novembro às 18 horas, na Bibliothèque Méjanes, em Aix-en-Provence, França.14568097_1119462241470482_2857652125053796717_n

Exposição Individual – LIMBO

Limbo trata da relação entre Arte e Ciência; a exposição constitui um interstício onde os negativos estéticos da ciência encontram as condições para se positivar na imagem fotográfica. Os trabalhos expostos retomam a relação que, no alvor da sua história, a fotografia manteve com a ciência, mas abandonam a pretensão de objetividade representativa que a fotografia prometia à ciência – e que pautou a utilização científica daquela -, explorando a dimensão estética que certas operações e noções científicas encerram. O que aqui se expõe é o espaço que Ivan Da Silva reconheceu entre ciência e fotografia, e que elegeu como lugar de operação para a sua prática fotográfica.

Design de Nelson Luís

Inauguração dia 07 de outubro, pelas 21h30, na Galeria Olga Santos, Porto.

Publicação na AUFABWEGEN

Foi há dois anos que conheci Marc Behrens, um artista alemão que trabalha essencialmente com escultura e performance.

Nesse mesmo dia trocámos contactos e passados uns meses fizemos um retrato. Lembro-me que o Marc se sentiu atraído pela processo e pela plasticidade.

Neste mês, essa fotografia foi publicada na revista AUFABEWGEN a propósito do trabalho dele. Deixo aqui uma fotografia da publicação e convido-vos a conhecerem o trabalho de Marc Behrens!

 

Marc Behrens

0 (zero)

No âmbito de um novo projeto que desenvolvo, que questiona a relação entre arte e ciência, estive na passada semana a fotografar o mar, naquele que poderá ser um dos maiores cianótipos alguma vez produzidos em Portugal.

Resta-me agradecer à Sophie Noir, que me ajudou na execução da ideia, contribuindo para o resultado final.

Esta peça poderá ser vista, juntamente com outras, na exposição que terei em Outubro na Galeria Olga Santos.

Exposição Colectiva “Águas”

Foi a convite da Galeria Olga Santos que integrei a Exposição Coletiva nas Termas de Curia, em Anadia, cujo tema é “Águas“.

Apresento um obra conceptual que realça a importância da água na fotografia. Afinal, teria nascido a fotografia sem água? Tal como a água também a fotografia que apresentei é mutável. Sabemos também que a água é sempre diferente, apresentando uma efemeridade incomparável no seu aspecto e detalhe. A fotografia que apresento nesta exposição está viva.

Até 31 de Agosto poderão visitar a exposição. Fica o convite.

 

 

Contactos